Saudade: um sentimento que as crianças não conseguem explicar

Todos os dias vou à casa da minha sogra na hora do almoço para ver o meu pequeno. Faço isso para que ele entenda que, apesar de trabalhar o dia todo, estou presente em sua vidinha. Ontem, no entanto, ele foi vencido pelo sono depois de aproveitar o sol que faz nessa cidade brincando na piscininha que a vovó encheu para os netinhos. Daí ele não nos viu na hora do almoço. Já à noite, o Alê pediu para lancharmos ao sair do trabalho, pois ele tinha serviço para fazer de casa. Conclusão: chegamos uma hora mais tarde para buscar o pimpolho. O Pedro reagiu de forma totalmente estranha. Sentindo-se abandonado por nós (eu acredito que tenha sido isso), ele sentou-se no chão, ao nos ver, começou a gritar com raiva e, ainda, grudou no colo do avô sem querer nem a mim nem ao Alê. Minha sogra disse que minutos antes ele havia chamado muito por nós. O fato é que as crianças não compreendem a saudade e, com isso, sofrem. Fiquei morrendo de dó. Meu coração bobo partiu ao meio. Assim, chegando em casa, chameguei meu filhote tudo que podia. Como o papai estava trabalhando, fomos para o quarto e eu aproveitei para fazê-lo dormir sob o meu aconchego. Depois do banho mais quentinho e gostoso do mundo (e do ritual diário de passar hidratante, repelente e colocar o pijaminha), apaguei a luz, coloquei-o sob meu colo e cantei todas as músicas possíveis enquanto acariciava seus cabelos. O pimpolho dormiu agarrado a mim como se quisesse demonstrar toda saudade e carência. Ô meu Deus, se ele imaginasse o quanto essa mãe boba o ama e que o tempo que passo fora dói mais em mim do que nele…

Tags: , , , ,

5 Respostas to “Saudade: um sentimento que as crianças não conseguem explicar”

  1. Paizinho Says:

    “Pode uma mulher esquecer-se daquele que amamenta? Não ter ternura pelo fruto de suas entranhas? E mesmo que ela o esquecesse, eu não te esqueceria nunca. Eis que estás gravada na palma de minhas mãos, tenho sempre sob os olhos tuas muralhas”. (Is 49,15-16). Deus comparou o seu amor por seu filhos com o amor de mãe, é por isso que você ama tanto o Pedrinho, é o “amor do jeito de Deus”.

  2. Márcia Lefouet Says:

    Ô, tadinho… deve ter mesmo partido o coração de vcs.
    Mas ele logo viu que o amor de mãe é infinito, e certamente esse momentinho antes de dormir valeu por cada minutinho do atraso.
    Beijos!

  3. Rêh Says:

    Oi irmãzinha, também faço isso sempre que trabalho à tarde. É uma correria, mas faço isso pra ficar com as crianças mais um pouquinho!! Dói o coração ver que eles sofrem de saudade, mas é preciso trabalhar… Até mesmo para o bem estar deles! Mas que bom que podemos compensar!!! O amor da gente é tão grande que não acaba nunca e supre essas ausências. Em falar nisso, amanhã tem lanchinho!!! Vamos nos ver!!!! Estou com saudades!!! Beijos!

  4. Denise Says:

    Nos doi muito mais de verdade, Suzy.
    Antes do João Gabriel, eu viajava muito (vivia na ponte aérea Rio-SP). Imagina meu coração como é que ficava, e o do meu João Miguel? A gente sofria muito. Como meu bebê ainda está muito a empresa me permitiu uma pausa nessas viagens (Graças a Deus!!!). O que descreveu tem sido meu ritual diário com meus filhotes… fico longe e morro de saudades!!

    Super beijo,

  5. Samantha Says:

    Oi Suzy, Théozinho ficava arrasado e até brigava comigo assim que voltei a trabalhar … eles sentem mesmo muita saudade 😦
    Que pena que não podemos largar o mundo e cuidar exclusivamente deles né?
    Beijo e fiquem com Deus

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: